12 coisas que você precisa saber antes de viajar para a Papua Nova Guiné

A Papua Nova Guiné é um país que está longe de ser destino turístico, principalmente de brasileiros, mas o turismo no país tem crescido ano após ano. Viajar no país não é para iniciantes, mas com algumas informações em mão é possível fazer uma viagem inesquecível em um dos países mais inexplorados do mundo!

1 – Moeda

A moeda utilizada na Papua Nova Guiné é o Kina (K), que vale aproximadamente 0,33 US$ (1/3 terço do dólar americano) na cotação de Janeiro de 2016.
Alguns países vizinhos como Indonésia e Austrália possuem casas de câmbio que vendem o Kina, mas a moeda pode ser facilmente trocada na capital Port Moresby ou obtida diretamente em caixas eletrônicos espalhados pelo país.
Apesar de ser uma moeda relativamente barata em comparação ao US$, os preços na Papua Nova Guiné são inflacionados, fazendo com que o custo de vida ou qualquer viagem no país sejam extremamente caros.

2 – Língua

A Papua Nova Guiné é um dos países com maior diversidade linguística do mundo, onde estima-se que mais de 840 línguas sejam faladas em todo território nacional. O Inglês é a língua oficial do país mas nem todos habitantes a falam devido à evasão escolar e falta de prática. A segunda língua, falada por 100% da população, é o Tok Pisin, uma espécie de broken english introduzido pelos alemães durante a ocupação parcial do país antes da Primeira Guerra Mundial. As outras línguas são dialetos e línguas faladas apenas em determinadas regiões, sendo pouco úteis em outros lugares.
Na prática, todo mundo fala sua própria língua local e Tok Pisin, e alguns poucos, também falam inglês.

3 – Visto

Brasileiros e outras nacionalidades podem obter o visto de turista válido por 60 dias na chegada ao país pelo aeroporto Jackson Internacional Airport em Port Moresby desde que apresentem uma passagem de saída do país dentro dos 60 dias. Caso a pessoa deseje ficar mais tempo no país ou entrar por outra via, ela deve estender o visto de turista ou o solicitar com antecedência.

4 – Entrando no país

A principal porta de entrada na Papua Nova Guiné é o aeroporto Jackson Internacional Airport em Port Moresby, onde companhias como Qantas, Air Niugini, Virgin Australia, Emirates e Phillipines Airlines voam da Austrália, Filipinas e Indonésia. Outras opções por ar são os vôos das Ilhas Salomão para Buka, capital de uma das províncias-ilha da Papua Nova Guiné.
Para aqueles com espírito mais aventureiro, é possível atravessar a fronteira por terra em Vanimo à partir de Jayapura, capital da Papua Indonésia.

5 – Povo

Os papuasis são de origem melanésia e tem uma pele bem escura, se assemelhando muito mais à africanos do que a seus vizinhos polinésios. Católicos fervorosos, muitos ainda vivem uma vida tribal em suas vilas, mas alguns já se abriram à vida ocidentalizada e foram em busca de empregos em cidades grandes.
As característica marcantes desse povo, sem dúvida, são a hospitalidade e falta de ganância. O povo da Papua Nova Guiné é extremamente amigável e tratam suas visitas e amigos como parte da família, dando tudo de melhor que eles têm. Não existe conceito de individualidade entre eles, tudo pertence a todos, e eles não hesitarão em dividir o que tem para agradar u forasteiro.
Não há muito turismo ou expatriados vivendo na Papua Nova Guiné, o que faz o homem branco ser uma atração à parte no país, principalmente fora de cidades como Port Moresby, Lae e Madang. Inicialmente, o olhar penetrante dos curiosos pode ser intimidador, mas com pouco tempo de convívo se percebe que tudo não passa de curiosidade.
vida tribal na papua nova guineQuer saber mais sobre o estilo de vida na Papua Nova Guiné? Leia mais em “A vida tribal na Papua Nova Guiné“.

6 – Buai ou Betel Nut

O buai, ou betel nut em inglês, é uma droga natural muito consumida desde o Paquistão até Melanésia, e cada povo tem uma maneira diferente de utilizá-lo. Mastigar o betel nut na Papua Nova Guiné é parte da cultura, e é feito juntamente com a semente de mostarda e lime, um pó branco que parece cocaína mas na verdade é obtido através da trituração de conchas do mar extremamente ressecadas. O consumo do betel nut desta forma deixa os dentes e lábios com uma cor avermelhada além de causar efeitos eufóricos/alucinativos. É também a principal causa de câncer de boca, principalmente nos mais idosos que fazem uso do buai desde a infância.
vida tribal na papua nova guine

7 – Transporte

Transporte na Papua Nova Guiné é simplesmente horroroso! Muitas vezes é necessário um dia inteiro (ou até mais!) para ir de um lugar para outro, mesmo que estes lugares sejam apenas 200 Km longe um do outro.
Excluindo o transporte terrestre, toda outra forma de transporte no país é extremamente cara. A razão disso é o custo da gasolina, que é refinada em outros países e importada de volta, retornando a um preço muito maior.

Avião: Como o país tem 70% do território coberto por mata, a maioria das pessoas que precisam viajar longas distâncias voam. Existem 3 companhias que fazem vôos domésticos no país, a Air Niugini ( pertence ao governo, padrão de qualidade internacional e também a mais cara) a Airlines PNG ( quase tão boa quanto a Air Niugini e com preços mais acessíveis) e a Travel Air (a mais barata, vôos tem grande chance de ser cancelados e os horários e sistema de compra de passagem online não funcionam).
Viajar na Papua Nova Guiné de avião é muito caro, com um simples vôo de 30min de duração podendo custar no mínimo K600 na companhia mais barata.

Transporte terrestre: PMVs ( Public Motor Vehicle, alternativamente conhecidas como vans caindo aos pedaços importadas do Japão) são a principal forma de transporte dentro de cidades ou saindo delas para alguma vila vizinha.
Não existe nenhum órgão que regulamente o transporte público terrestre no país, assim como também não há nenhum tabela de horário ou preços. O único jeito de se informar qual PMV pegar ou quanto custa (geralmente entre K0,5 a K3) é perguntando aos locais, pois o trecho e preço variam de acordo com a distância e alguns cobradores desonestos acabam não dando o troco correto.
A única boa estrada do país, conhecida como Highlands Highway, liga as cidades de Lae e Madang às diversas cidades na parte alta do país, as Highlands. Em viagens de longa distância por essa rodovia (de K30 a K50) não há um horário para sair, pois os motoristas ficam rodando a cidade em busca de passageiros desde às 8h da manhã, e geralmente partem umas 4-6h depois, quando a van está superlotada.

Transporte em navios e canoas motorizadas: Esse talvez seja o meio de transporte mais importante na Papua Nova Guiné, afinal boa parte da população vive em ilhas ou ao longo do rio Sepik . É uma excelente alternativa aos caros vôos dentro do país, mas viagens em navios podem levar dias entre uma ilha e outra, e as canoas motorizadas frequentemente afundam ou são saqueadas pelos bandidos locais em trechos estreitos dos rios.
Algumas companhias estrangeiras (com escritório, preço fixo e bilhete impresso) fazem o trecho Lae-Kimbe-Rabaul-Buka e Madang-Wewak, mas toda outra forma de transporte marítimo é feito informalmente.
Vale notar que, assim como o transporte terrestre, os navios só irão partir quando estiverem com um número mínimo de passageiros, e isso pode levar mais do que 2 dias da data de partida original.
papua nova guine

8 – Acomodação

A Papua Nova Guiné provavelmente tem o pior custo benefício do mundo quando se fala em acomodação. Pessoas que viajam a negócios e expatriados pagam uma fortuna para ficar em hotéis, que podem custar até K600 a K3000 por noite dependendo da qualidade, enquanto aqueles que querem pagar menos geralmente ficam em guesthouses de qualidade questionável, por K150 a K200 por noite.
Existe apenas um albergue no país, o Magila Motel Backpackers, que custa K200 e fica em uma das zonas mais perigosas de Port Moresby. Altamente não recomendado para aqueles sem espírito de aventura ou com altos padrões.

9 – Tours e guias

Apesar da falta de turistas, a Papua Nova Guiné já tem sua parcela empresas/guias turísticos operando localmente. Existem empresas especializadas em mergulho em Port Moresby, Alotau, Kimbe e Rabaul, city tours em Port Moresby, tours em ruínas da Segunda Guerra Mundial em Rabaul e cruzeiros de luxo no rio Sepik, o “Amazonas” da Papua Nova Guiné.
Alguns hotéis e guesthouses oferecem alguns destes passeios ou colocam os hóspedes em contato direto com as empresas.
Para viajantes independentes, guias são essenciais para certas atividades no país, como o trekking de Kokoda Track ou a subida ao Mt Wilhelm. No padrão da Papua Nova Guiné, não espere uma boa prestação de serviço por parte dos guias. Atente ao fato que muitas pessoas oferecem o serviço de guia, mas poucos são aqueles realmente qualificados
trilha kokoda papua nova guine

10 – Segurança

Segurança é a principal preocupação de muitas pessoas que vão à Papua Nova Guiné. A capital Port Moresby está sempre na lista das piores cidades do mundo para se viver, e é muito comum encontrar notícias de turistas que foram violentados ou tiveram seus pertences roubados. A vida nas vilas é muito segura e dificilmente algum crime acontece por lá, mas as coisas podem ficar mais complicadas em cidades como Port Moresby e Lae. De uma forma geral bom senso é o suficiente, mas existem algumas dicas para evitar problemas no país:

  • Andar sozinho durante o dia não é perigoso como dizem, mas não dê sinais de riqueza ou posse de bens materiais, como câmeras, celulares e jóias. As cidades são geralmente cheias de pessoas desocupadas, principalmente crianças, o que favorece e muito o furto.
  • Ande sempre na companhia de outras pessoas, especialmente papuasis. Ser visto andando com locais faz você ser mais respeitado.
  • Esteja sempre em casa ou no hotel à noite, pois é neste horário que os raskols (como são conhecidos os criminosos no país) costumam assaltar pessoas. Nem mesmo os locais acham seguro estar na rua quando escurece.
  • Bruxaria, superstição e conflitos armados por terra são as principais causas de conflitos entre as pessoas na Papua Nova Guiné e normalmente não envolvem o homem branco ou visitante, mas as coisas se tornam fora de proporção quando tem álcool envolvido.
  • Os papuasi fabricam clandestinamente uma bebida chamada stim, que é extremamente barata e com alto teor álcoolico. Evite estar por perto quando os ânimos se exaltarem devido ao consumo excessivo do stim ou mesmo de cerveja. Jesus, Maria e álcool vieram pra Papua Nova Guiné no mesmo barco e criaram raízes fortes!

11 – Canibalismo e tribos isoladas

Canibalismo é um tópico que atrai a curiosidade de muitas pessoas sobre a Papua Nova Guiné, mas a verdade é que ninguém é comido vivo por lá há muito tempo…ou pelo menos ninguém escapou vivo para contar história.
Não só o canibalismo atrai turistas para o país, mas também o pensamento de que é possível encontrar tribos isoladas que nunca viram o homem branco e vivendo suas vidas como 2000 anos. Na verdade, nada disso acontece mais!
Com a introdução do catolicismo e o árduo trabalho dos missionários na Papua Nova Guiné, os papuasis se tornaram tão católicos que deixariam os peregrinos que vão a Aparecida do Norte todo ano com inveja, e antigas “tradições” como assar um vizinho numa ocasião especial foram extintas ao longo dos últimos 80 anos. Além disso, as pessoas que não estão nas cidades vivem uma vida tribal moderna, com direito a celular e acesso à internet.
As probabilidades de encontrar canibais e tribos isoladas são maiores na Papua Indonésia. Isso é, se os exército local parar de chacinar os nativos que lá vivem.

12 – Malária

A malária é uma doença crônica muito comum em florestas tropicais, sendo transmitida por alguns mosquitos existentes neste tipo de ambiente. Os sintomas são febre, dor de cabeça, cansaço, náusea e vomito, e se manifestam entre 15 dias e 8 meses, normalmente em ciclos. Infelizmente não há cura para a malária.
Na Papua Nova Guiné a malária é uma preocupação em todo território nacional com exceção das Highlands, que é um ambiente inóspito para os mosquitos transmissores por ser acima de 1800m de altitude.
A melhor forma de se evitar contrair a malária é se evitando picadas do mosquito transmissor usando calças e camisas de manga comprida, muito repelente e redes anti-mosquito na hora de dormir. Outra forma de evitar a doença é tomando doxiciclina ou pilulas contra malária por meses antes de viajar para áreas de risco, mas causa fortes efeitos colaterais no fígado.
De qualquer forma, existem alguns testes (semelhantes aos testes de gravidez) que podem ser comprados nas farmácias por K20 que mostram se a pessoa está infectada ou não.

Post Anterior
Próximo Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »